Reciclagem de Isopor: o processo é possível, viável e já acontece


Imagem destaque deste post

O material que conhecemos hoje como Isopor foi descoberto em 1949, na Alemanha, por dois químicos, Fritz Stasny e Karl Buchholz. Porém, Isopor não é o nome real do material, mas o nome da marca que o popularizou. Seu nome verdadeiro é Poliestireno Expandido ou EPS, uma sigla mais fácil de pronunciar.

O EPS é produzido a partir do Estireno, uma substância derivada do petróleo que, ao ser misturada com gases (hoje, é utilizado o pentano, um gás não poluente) se expande, podendo ser modelado em diferentes formatos, tamanhos e até densidades.

Visita à Isofort

Realizamos uma visita na fábrica de nossa parceira, a Isofort, que não só fabrica EPS como também o recicla! Júlio, o proprietário, e Cristiane, a Engenheira Ambiental da fábrica, nos guiaram ao longo do processo produtivo e nos mostraram que reciclagem de EPS é viável e possível para todos os fabricantes comprometidos com o ciclo do produto e com o meio ambiente!

A Isofort possui um serviço de coleta gratuita de grandes volumes de EPS usado, especialmente para grandes empresas e, a partir de todo o material coletado, fabricam novos produtos, misturando EPS novo e reciclado.

EPSs coletados pela Isofort e armazenados para passarem pelo processo de reciclagem (à esquerda) e EPS virgem, que pode ser misturado ao reciclado para a fabricação de vários produtos (à direita)

Imagem: EPS coletado pela Isofort e armazenado para passar pelo processo de reciclagem (à esquerda) e EPS virgem, que pode ser misturado ao reciclado para a fabricação de vários produtos (à direita).

O processo de reciclagem ocorre a partir da tritura do material coletado. Esse material triturado, a seguir, é misturado ao material novo (em diferentes proporções, dependendo da finalidade e do formato do EPS a ser produzido) e ao gás pentano. A pressão presente no processo gera a expansão do estireno e dá origem ao EPS.

Esse material é extremamente versátil e pode ser fabricado em diversos formatos e tamanhos, para diversas finalidades e segmentos, como isolamento térmico, preenchimento em construção civil e setor automobilístico e embalagens para alimentos e bebidas.

Apesar de sua reciclagem ser possível e viável, poucos sabem desse fato sobre o EPS. E aí? Já sabia que a reciclagem desse material é possível? No blog, também temos um post falando sobre o que são resíduos e rejeitos, e o que fazer com eles. Lá, você irá entender porque o EPS é resíduo, apesar de tratarmos ele como rejeito.

Texto escrito por Isabella Menezes, Marketing da Recicla.Club


Gostou?

Que tal compartilhar este artigo?

Facebook icon

Deixe seu comentário :)

Receba nossas notícias na sua caixa de emails!

Se inscreva abaixo para receber emails periódicos com conteúdos relevantes sobre sustentabilidade e a cidade ;)